domingo, 26 de março de 2017

Coelho e Tranquada na sátira do Tó Fontes

O silêncio do doutor Tranquada

Os países do norte da Europa trabalham e solidarizam-se financeiramente com os países do sul que não fazem nenhum para além do copos, festas e mulheres

26 MAR 2017 / 02:00 H.
“Não se pode gastar todo o dinheiro em copos e mulheres e depois pedir ajuda” – Jeroen Dijsselbloem - DN. 23.03.2017

1. A expressão é errada e falsa como pode ler no ponto 3 deste trump-trump, mas bem pior são as virgens ofendidas. Sexista, xenófobo, ofensivo, populista, inaceitável, preconceituoso, insensível, estúpido e insultuoso, enfim, esgotaram-se os adjectivos da gramática portuguesa para qualificar a frase do Jeroen Dijsselbloem. Na Madeira – habituados ao “que se foda a Assembleia da República” e aos “filhos-da-puta dos jornalistas” de Alberto João Jardim e ao “caralho”, “paneleiro” e “merda” do Jaime Ramos – nem o Tranquada Gomes resolveu armar-se em donzela carcomida. Até porque copos e mulheres é coisa que o Tranquada Gomes, na qualidade de deputado e Presidente da Assembleia Legislativa Regional da Madeira, não cheira nem lambuza. O casamento, na cultura mulherenga da Madeira, é um contrato vitalício que inclui a mulher, a amante e a sopeira. Sabemos.2. É absolutamente verdade o que disse o Jeroen Dijsselbloem na qualidade de ministro das finanças da Holanda e Presidente do Eurogrupo. Os países do norte da Europa trabalham e solidarizam-se financeiramente com os países do sul que não fazem nenhum para além do copos, festas e mulheres. Disse-o aqui a semana passada em relação à “Nau Sem Rumo” da Rua 31 de Janeiro - alcoólica, machista, racista, narcisista, boémia e aldrabona –, redigo hoje idêntico juízo de valor após contacto telefónico de apoio e de solidariedade ao meu amigo Jeroen Dijsselbloem. Qualquer madeirense minimamente responsável e consciente do trabalho que dá coçar todo o dia nas esferas de bolso – mesmo sem mestrado falso e desprovido de cultura calvinista - sabe que a Madeira vive e sobrevive à custa do estatuto social, financeiro, económico e político de chulo. Basta olharmo-nos todos ao espelho e dar saltos de susto.3. A expressão do Jeroen Dijsselbloem, lamentavelmente, peca por redutora e excessivamente civilizada em relação à Madeira. A Madeira, caro amigo Jeroen, “não gasta todo o dinheiro em copos e mulheres” e depois põe-se de joelhos a pedir esmola aos países do norte da Europa, em especial, à Alemanha. Nada disso. A Madeira e os madeirenses são muito mais finos que os tontos dos “cubanos e morcões” de Portugal. Aqui por estas bandas – diz um nosso peculiar adágio popular – gasta-se o dinheiro em “putas e vinho verde” e pede-se ajuda ao professor Bambo. Voilà. (diário)


Chefe dos vigaristas que tramam o povo da Madeira,dá entrevista

Maria João Marques


sábado, 25 de março de 2017

O grupo de liquidacionistas ligados ao Garcia Pereira atacam Arnaldo Matias Matos

A diferença entre o rato do campo e a ratazana de esgoto!Realmente é verdade!
Existe uma diferença entre o rato do campo e a ratazana de esgoto, e dizemos isto porquê?
Porque no nosso último artigo publicado e intitulado ─ Esquecimento deliberado ou inversão dos valores comunistas Marxistas-Leninistas ─ quisemos mais uma vez alertar todos aqueles que se revêem no PCTP/MRPP até ao dia 05 de Outubro de 2015, que se tornou num mau hábito, o actual partido do ditadorzeco Arnaldo Matias de Matos, “esquecer-se” das datas mais significativas para os verdadeiros Marxistas-Leninistas.
E é aqui que a velha ratazana de esgoto, saindo da imundície em que está atolada até às suas pequeninas orelhas, vem por meio do pasquim em que se tornou o jornal do partido, vomitar mais uma “tese urgenteiriça” para que os seus lacaios não sintam que ele está a ficar ultrapassado e outros valores se alevantam, que fazem deixar aquelas “pobres” datas para as calendas gregas, ou para quem não sabe o que são calendas, para o dia de “São Nunca”!
Para desviar as atenções e tentar ganhar o seu protagonismo, a velha ratazana de esgoto vem agora “muito preocupada” com o centenário da Revolução Russa de Outubro, babado e sempre “imodesto”, Arnaldo Matias de Matos, qual judeu no Muro das Lamentações, vem lamentar-se de haver vários debates e conferências de assumidos anti-comunistas e anti-marxistas e o “verdadeiro comunista marxista”, não ter sido convidado.
Nós dizemos que é pena porque, para o ramalhete ficar composto, realmente só faltava o burguês encapotado anti-marxista Arnaldo Matias de Matos.
Neste texto do dia 30 de Dezembro de 2016, fica bem vincada a tal diferença de que fala o título deste artigo, pois assumindo o papel de ratinho do campo pequenino e airoso, o mais uma vez “imodesto” Arnaldo, vai buscar “As teses da Preguiça”, badaladas e comentadas pelos povos do “mundo inteiro”, com o envio de “resmas” de e-mails exigindo-lhe que participasse e tomasse posição.
Novamente entra aqui a ratazana de esgoto velha e sabida, diz que não participa e não aconselha a que participem, porque não está representado o único partido Marxista de Portugal, pois é Arnaldo, era Marxista, agora somente o partido de um homem que se apoderou dele!
Voltando ao papel de ratinho do campo meloso e “enternecedor”, lá vai convidando os incautos dos e-mails para uma reunião no dia 06 de Janeiro de 2017, no covil da avenida do Brasil pelas 16 horas, para “debate”!
Para “debate”? Como diz a canção do outro, DEIXA-ME RIR!Arnaldo Matias de Matos quer “muitos” apoiantes e convidados, mas não “provocadores e liquidacionistas”!
ENTÃO NO DIA 06 DE JANEIRO, OS MUITOS “PROVOCADORES E LIQUIDACIONISTAS” COM OS SEUS APOIANTES, IRÃO ESTAR NA AVENIDA DO BRASIL, A RODEAR O Nº 200 E A DESMASCARAR UMA VEZ MAIS, A RATAZANA DE ESGOTO COM A PELE DE RATINHO DO CAMPO!(as mentiras do Arnaldo)

A diferença tem que existir, pois então!No seguimento de uma notícia por nós publicada em 6 de Dezembro de 2016, onde denunciámos e apresentámos as provas de que um “emérito comunista” se deu ao luxo de gozar as suas “merecidas” férias durante 15 dias no Vidago Palace, e que importaram na “pequena” quantia de quase 6.000 euros, não quisemos fechar esta informação sem publicar a totalidade dos factos.Quando Arnaldo Matias de Matos se deslocou para essas férias não o fez sozinho, pois como um bom burguês, levou o seu motorista particular Carlos Paisana, conduzindo um Mercedes topo de gama, para o levar até ao local desejado.Como uma dupla bem conhecida, descrita por Miguel de Cervantes, assim também Arnaldo o D. Quixote de la “Massa” não se deslocaria sem o seu fiel escudeiro Paisana “Santo” Pança.Ora, o que aqui queremos realçar e com provas é que no período de 07 a 14 de Agosto de 2015, o seu fiel escudeiro foi desterrado para a “estrebaria” da Pensão Resineiro, pois não se poderia pensar que um simples criado ousasse passar este tempo das férias do seu “nobre senhor” no mesmo local.E para acentuar as devidas diferenças entre a “nobre” linhagem de Arnaldo, D. Quixote de la “Massa” e o seu simplório escudeiro, Paisana “Santo” Pança, este ocupou e pagou durante a sua estadia, a “exorbitante” quantia de 210 euros, o que nos faz sublinhar que a diferença de linhagem da burguesia para o simples criado primário, ficou bem revelada, já que, enquanto este último gastou durante 7 dias a quantia de 210 euros, esta mesma importância “só” dava para pagar 1 dia do quartito no Vidago Palace.Como podem ver mais abaixo na respectiva factura, isto só denota e vem dar razão ao velho provérbio:FAZ O QUE EU DIGO, NÃO FAÇAS O QUE EU FAÇO! (ver AQUI)

O CHORADINHO DE ARNALDO MATIAS DE MATOs

O choradinho de Arnaldo Matias de Matos

Sabemos como ninguém, que as tretas publicadas no pasquim em que se tornou o órgão do PCTP/MRPP, o jornal online Luta Popular, só são “entendidas” pelos seus correligionários, pois estes, por obediência cega, endeusamento e comungando alguns dos mesmos males do seu chefe, não conseguem discernir o que é disciplina partidária de autoritarismo.
Arnaldo Matias de Matos vendo que o seu “reinado” como “afundador” do PCTP/MRPP está a chegar ao fim, vem agora dar uma de coitadinho, de perseguido, de discriminado, de negro da política, vem sem qualquer dúvida, comiserar para a praça pública, não se coibindo de atacar tudo e todos, desde os “malditos” dos jornalistas vendidos ao patronato e ao imperialismo até ao seu principal “inimigo de estimação”, António Garcia Pereira.
Já dissemos mais do que uma vez, que quem é social nas palavras e fascista nos actos só tem um nome, que o partido sempre denunciou e apodou de social-fascistas!
Diz Arnaldo Matias de Matos, entre outras coisas, que vive na mesma casa há 50 anos, não tem carta de condução e não tem carro, não tem dinheiro, não tem férias e não tem vergonha, dizemos nós!
Porque se tivesse um pingo de vergonha, não dizia as monstruosidades que diz no seu editorial de 28 de Novembro de 2016, com mais umas adendas para completar o rol de mentiras, pois este velho decrépito vomita mais uma enxurrada de vitupérios que não abonam em nada o seu autor, diz que não tem carro e carta de condução, argumentamos nós, porque nunca foram necessários, já que tinha os “escravos” dos militantes a servirem de motoristas para o levar a qualquer lugar, e arrepiem-se os nossos leitores, porque este “doutor advogado comunista” tinha o desplante de exigir que o fossem buscar à sua residência, um andar feito de “canas de bambu e folhas de palmeira” na Avenida 5 de Outubro, para o levarem 800 metros até ao seu escritório.
Em qualquer deslocação, quando convidado do partido, era sempre exigido um veículo de marcas conceituadas, tipo Mercedes e BMW, porque sua “excelência” não se dignava a viajar como qualquer trabalhador que se desloca no seu veículo utilitário.
Hotel Vidago
Diz esta peça carunchosa, que o seu “inimigo de estimação” tem barcos e moradia luxuosa, teria muita razão Arnaldo Matias de Matos se, o “grande educador” fazendo jus à sua “classe proletária e operária” fosse passar férias para qualquer parque de campismo deste país e não para o Hotel Vidago Palace & Spa, que como anteriormente já divulgámos, importou na módica quantia de quase 6.000 euros por 15 dias, o que dada a mentira vergonhosa da sua afirmação em dado momento, de que no ano de 2015, até nem gozou férias, deixamos neste texto a prova de que Arnaldo Matias de Matos é um mentiroso compulsivo, para que os nossos leitores e apoiantes se certifiquem de quem afinal, é que diz a verdade.
Como o povo diz, quem tem telhados de vidro, não deve atirar pedras!
Não estamos aqui, nem pouco mais ou menos, para defender qualquer jornal, qualquer jornalista e muito menos os detentores destes órgãos, mas como só a verdade é revolucionária, também achamos que temos o dever de informar correctamente os nossos leitores e apoiantes, porque no jornal do partido não é possível o contraditório, já que Arnaldo Matias de Matos não o consente.
Quando este na sua prosa se destrambelha, atirando em todas as direcções, e vem com a conversa do infeliz que não tem qualquer cargo no PCTP/MRPPem mais de 30 anos, felizmente dizemos nós, olhem só os nossos leitores se ele tivesse à frente do partido, não estando fez o que fez, se tivesse, o que teria feito?
Certamente o PCTP/MRPP já teria deixado de existir há muito tempo!
Diz o “grande educador da classe operária”, que sendo uma pobre vítima, não se revê nos vários artigos escritos na imprensa nacional!
Pois é! Só se revê na bajulação, na obediência cega e nos lambe-cús que vão vomitando as costumadas brejeirices, dos já habituais Carlos Alberto Alves, Luís Júdice, João Morais, Luminoso Futuro (?), Fernando Firmino, Carlos Pais, Álvaro de Abreu, João Pinto, Maria Paula, Gabriela, o seu lulu Carlos Paisana, Alberto Lopes, Viriatos e quejandos.
As seitas funcionam desta forma, seguem incondicionalmente o seu mentor, sem nunca o contestar ou contrariar, o que dentro daquilo a que alguns ainda vão chamando de partido comunista, é de bradar aos céus, porque sempre foi apanágio dos marxistas-leninistas, liberdade de expressão, discussão aberta e acima de tudo considerar qualquer ideia de um trabalhador ou operário, como um contributo válido na luta entre a classe operária e o capital.
A mania da perseguição de que Arnaldo Matias de Matos se queixa, de que os jornalistas da imprensa burguesa estão todos contra ele, só revela uma mente doentia, pois Arnaldo “esquece-se” que esteve longe das luzes da ribalta, e sem qualquer intervenção de fundo nas várias lutas que o partido apoiou. Quem deu a cara nessas ocasiões também foi atacado pelas posições assumidas pelo partido na defesa dos operários e trabalhadores, pelas suas posições pessoais, pelas circunstâncias do seu desempenho profissional e por simplesmente pertencer e militar no PCTP/MRPP.
Quando Arnaldo Matias de Matos ataca, neste caso concreto o jornalista de nome Marujo, de que este teria tomado uma posição parcial numa hipotética luta partidária, também se está a “esquecer”, palavras do jornalista, que houve uma tentativa de contacto por vários meios a Arnaldo Matias de Matos, sendo infrutíferas todas as tentativas.
Arnaldo Matias de Matos está a queixar-se do quê?
Quando duas partes estão em conflito, para quem desempenha o seu trabalho de uma forma profissional, logicamente que está interessado em ouvir as várias opiniões e que os leitores tirem depois as suas conclusões.
Quando não queremos ser questionados pelo nosso comportamento, uma boa medida, além de se fazer de vítima, é desviar as atenções daquilo que é o motivo principal pelo qual estamos a ser confrontados, eArnaldo Matias de Matos aqui sim dá cartas, e como raposa velha e sabida consegue “convencer” os seus apaniguados de que é uma vítima perseguida por racismo político, um coitadinho e um infeliz.
Não diz é aos seus poucos correligionários que em treze meses, só de subvenção atribuída ao partido recebeu mensalmente 14.300 euros, o que como dizia o outro, é só fazer as contas, mas nós também sabemos fazer contas e Arnaldo Matias de Matos embolsou para o seu pecúlio 185.900 euros desde que se apossou do partido, já desbaratou dinheiro em eleições que não trouxeram nada ao partido nem à luta dos trabalhadores, mas pelo contrário, deram frutos à sua vida particular e profissional, tendo mudado de escritório para uma zona mais central perto do Marquês de Pombal, mais concretamente para a rua Mouzinho da Silveira, nº 27-3º andar!
Quem pagou o novo escritório? Foi o “pobretanas” do Arnaldo Matias de Matos?
Nada disso!
A subvenção que o partido recebe, depois do trabalho anti-comunista e liquidacionista executado pelos vários elementos, que fazendo um “mau” trabalho junto das massas, assim a conseguiram, serve-se agora dela Arnaldo Matias de Matos para as suas extravagâncias e loucuras pseudo comunistas, imputando o ineficiente e mau trabalho dele próprio e dos seus apaniguados, aos analfabetos anti-comunistas e liquidacionistas que dirigiram o partido nestes mais de 30 anos, em que o partido subsistiu com quotização, recolha de fundos e muito, muito trabalho!
Não fazemos aqui a defesa de quem quer que seja, mas acima de tudo somos pela verdade, pois só ela é revolucionária, e por isso as mentiras que Arnaldo Matias de Matos expele não podem passar sem o contraditório, e em mais uma patranha, quando afirma que António Garcia Pereira se quis apossar do lugar de Secretário-Geral do partido, temos que repor a verdade daquilo que realmente se passou.
Durante mais uma esquizofrénica briga, que teve logo após as Eleições da Madeira em 2015, com o Secretário-Geral Luís Franco, “decidiu” que este elemento, a quem ele chama constantemente analfabeto, não devia continuar neste papel e o lugar devia ser preenchido por António Garcia Pereira, que antes de ser apodado de papagaio e anti comunista primário, não era analfabeto, mas sim doutor!
Arnaldo Matias de Matos, mais uma vez vem cuspir uma falsidade, com quantos dentes tem naquela boca suja porque por mais que a lave com lixívia, as mentiras não desaparecem, e a das Eleições da Madeira de 2015 é mais uma a juntar ao rol. Este asqueroso pseudo comunista, também diz que só tomou conhecimento da despesa de 70.000 euros gastos nestas eleições há pouco tempo e que não lhe causa admiração, pois as várias “passeatas” e estadias de António Garcia Pereira e da mulher contribuíram para essa despesa, o que este pulha se “esquece” de dizer aos mentecaptos da sua seita é que com a mania do seu célebre “livrinho” que foi sendo editado às prestações, causando um maior custo, não só chegava aos bochechos à ilha da Madeira e Porto Santo, quando por insistência deste indivíduo torpe, o partido estava constantemente a enviar mais “livrinhos” e a pagar balúrdios no seu transporte.
Desculpamos Arnaldo Matias de Matos porque, a senilidade, a falta de memória, a esquizofrenia e a mentira compulsiva, tudo nos leva a crer, não é recente, mas agora acentuou-se e é normal e típico deste género de escumalha!
Queremos aqui fazer um reparo que poderá tentar explicar, porque é que existindo um Comité Central, um Secretário-Geral e vários Comités Regionais, os membros eleitos se deixaram influenciar e mostraram uma subserviência a esta figura fantasmagórica.
Perguntamos nós: Foi medo, foi o não acreditar nas suas qualidades ou foi outra coisa qualquer, que só os próprios poderão responder!
Também é verdade que os elementos do órgão principal do partido, às tantas poderiam ter ficado confundidos, pois as “ordens” às vezes eram dadas por Arnaldo Matias de Matos outras por Espártaco, e ele no relambório do “seu” jornal, tenta “explicar” da forma que lhe dá mais jeito, o seu comportamento doentio, senil e esquizofrénico!
Enquanto sua excelência estava no seu escritório a magicar, os militantes além de serem os seus criados particulares e de fazerem todas as vontades, desde levar os jornais diários e tabaco, serviam também de motoristas particulares e guarda-costas para o levarem a tomar as suas refeições ao Gambrinus e à Adega da Tia Matilde.
Então quem são os traidores?
Talvez Arnaldo Matias de Matos, que durante a campanha para as Eleições Legislativas de 2015 foi o mentor e impulsionador da frase “Morte aos Traidores”, frase esta que serviria para palavra de ordem da campanha, retirada e recolocada em mais uma atitude extravagante, dizíamos nós, que talvez estivesse já a fazer futurologia e adequá-la ao seu futuro desempenho.
Como é que este “comunista” burguês tem o desplante de atacar alguém, se ele na prática, não executa o que lhe sai da boca, de dialéctica marxista-leninista?
Como já demonstrámos por diversas vezes, o que aqui afirmamos, além de o poder provar, não é o denegrir de uma personagem, mas o dever de repor a verdade para que todos aqueles que se interessam por um verdadeiro partido comunista marxista-leninista, não comam gato por lebre!

A Redacção das “Mentiras do Arnaldo

 AS FÉRIAS DE UM "COMUNISTA"
 veja as mentiras do Arnaldo

O candidato "renovadinho" da Ponta do Sol

Ver Diário- até o próprio aAlberto João diz mal dele!.

"Renovadinhos"

sexta-feira, 24 de março de 2017

Paulo Cafôfo favorece empresa de José Bettencourt da Câmara na compra de material informático para a loja do cidadão

 Com este mega favorecimento, o matutino do grupo Blandy encarregar-se-á de promover a campanha de Paulo Cafôfo para mais um mandato à frente dos destinos da CMF.


Resta saber se o  Bloco de esquerda atual bengala do professor do Campanário vai pactuar com este negócio das arábias à custa dos dinheiros públicos.

Câmara consome megabytes de ouro em pó



Loja do Munícipe ou NASA?

A CMF adquiriu em Outubro software para a futura loja do Munícipe no valor de quase 100 mil euros, até aqui tudo bem, pois é necessário material informático. Mas eis que  meio ano depois a CMF lembra-se de comprar novamente material informático para a dita Loja do Munícipe e desta vez no valor de 320 mil euros, mas com outro fornecedor. Mas que raio, não vá uma pessoa pensar  que é preciso tanto material informático, será que é para ser uma loja do Munícipe ou um departamento da NASA?
Quase meio milhão nesta adjudicação de material? 
Será que  que em Outubro não previram a quantidade de material informático necessário? Meio ano depois têm de carregar ainda mais?
Dizem que aquilo irá ter 14 postos de atendimento, então terá  meio milhão de computadores até ao tecto?  Cada computador e software irá custar 28 571 €  ?
Alguém que nos explique isto pois está extremamente confuso.



Com a devida vénia do Blog do Calisto


A partido maoista MRPP foi quem mais altos dirigentes forneceu aos partidos da burguesia

PORTUGAL: Neoliberalismo, a nova fé dos ex -maoístas


LISBOA, 20 ago 2004 (IPS) - Em Portugal, existe uma diferenca do resto de Europa ocidental, os fogosos militantes do extremismo maoísta e da ”esquerda alternativa” não se diluyeron entre os mitos e realidades do seu passado revolucionário mas com,sentido prático dos nuevos tempos, conseguiram reaparecer com força.
Hoje, muitos deles se destacam como grandes figuras dos partidos do poder. Portugal-se no primeiro país a exportar um ex-maoista para presidente da comissão europeia, o único órgão executivo da União Europeia.
Os partidos, Social demócrata (PSD, conservador apesar do seu nome) e Socialista (PS), que se se têm alternado no poder nas últimas dos décadas, têm sido refugios ideais tanto para os ex-seguidores do atualmente falecido líder chinês  Mao Tse Tung, como para os intelectuais críticos dos partidos comunistas.
Segue-se têxto em espanhol
Los dirigentes de la corriente que en Francia e Italia fue tildada, por los partidos comunistas tradicionales hace tres décadas, respectivamente de ”gauche divine” (izquierda divina) y ”borghesía illuminàta” (burguesía iluminada), simplemente se esfumaron en su mayoría sin lograr capear el temporal neoliberal.
Sólo muy contados casos se mimetizaron en el sistema actual, pero en cargos de segundo orden.
En cambio sus equivalentes lusitanos, tanto de la llamada izquierda ”bem pensante” (izquierda intelectual crítica), que los comunistas entonces afiliados a los dictados de la hoy extinta Unión Soviética llamaban ”la izquierda de café”, como la maoísta, ahora ocupan lugares destacados del Estado, la justicia, el mundo empresarial, periodístico y académico.
El caso más conocido, es el del ex primer ministro conservador y actual presidente electo de la Comisión Europea, José Manuel Durão Barroso, que en sus años mozos lideró el sector estudiantil del maoísta Movimiento de Reorganización del Partido del Proletariado (MRPP).
Durão Barroso fue el número dos de Arnaldo Matos, descrito en la época como ”el gran dirigente y educador del proletariado portugués” .
Si bien este político es el más destacado de los actuales maoístas arrepentidos, la lista de los ex MRPP y de los demás ”revolucionarios” del ex Comité Marxista-Leninista Portugués y de los ex Partidos Comunista Portugués/Marxista-Leninista(PCP-ML) y Reconstruido (PCP-R), es vasta y se les encuentra en lugares destacados.
Una minoría de ”ex”, tanto de la ”izquierda crítica” como de los maoístas, está también constituida por algunos menos arrepentidos que otros, ya que no se fueron al extremo de la derecha, sino que detuvieron su marcha en el PS, pero en los sectores más pro estadounidenses de este partido.
Estos son los casos de los ex MRPP José Lamego, que por invitación de Washington se desempeña como asesor del gobierno provisional de Iraq, de Ana Gomes, jefa de relaciones internacionales del PS y de la Fiscal General del Estado adjunta y hasta el año pasado subdirectora de la Policía Judicial (PJ), la jueza María José Morgado, esta última ahora independiente.
La magistrada recuerda hoy que, cuando decidió abandonar en 1977 el MRPP, su joven colega universitario Durão Barroso presentó una moción titulada: ”Abran fuego contra la renegada María José Morgado”.
Hoy, la fiscal no observa luto por su antigua ideología. ”Haber sido maoísta me hace sentir mucho más vigilante, tener mucho más cuidado en las decisiones, mucho más apego a las instituciones y a la democracia liberal”, apunta.
Muchos ex maoístas y de pequeños partidos del llamado universo marxista leninista revolucionario, conocidos como ”los M-L”, defensores acérrimos del reconocimiento a la figura histórica e ideológica del líder soviético José Stalin, viajaron directamente hasta la derecha, sin escalas intermedias.
Entre los casos más visibles de los ”M-L”, se destacan el diputado José Pacheco Pereira, alto dirigente del PSD y uno de los más ardientes defensores de la intervención estadounidense en Iraq, y el periodista Artur Albarrán, que en 1975 encabezó el ”asalto revolucionario a la embajada de la España fascista” y que hoy representa los intereses de la empresa fundada en Portugal por el ex director de la CIA Frank Carlucci.
Otro caso de destaque es el de la socióloga Esther Mucznik, quien en 1975 se declaraba ”marxista-leninista-maoísta”, un recorrido ideológico ”que explica la temperatura de la época” y que en la actualidad como dirigente de la comunidad judía lusitana, en una columna semanal en el periódico Publico, defiende con ardor la política de Israel contra Palestina.
Los redactores de A Voz do Povo (La Voz del Pueblo), un semanario ”M-L” de los años siguientes al golpe militar izquierdista de 1974, se ubican ahora en destacados lugares de la comunicación social más conservadora.
Entre los más conocidos, se cuentan José Manuel Fernándes, director de Publico, el principal periódico del país, y Manuel Falcão, director del canal 2 de la Televisión Portuguesa, y editores de los influyentes semanarios ”Expresso” y ”Grande Reportagem”.
Entre los llamados ”bem pensantes” de la izquierda crítica, tanto a China como de la Unión Soviética, el caso más notorio es el del actual presidente de Portugal, Jorge Sampaio, líder del Grupo de Intervención Socialista (GIS) entre 1974 y 1980, que en 1982 fue disuelto y todos sus miembros ingresados en pleno al PS.
La herencia del GIS, que más que un partido fue una asociación de reflexión de la que formaban parte los más destacados juristas, filósofos, historiadores y profesores universitarios de entonces, registra hoy nombres tales como el del juez José Nunes de Almeida, presidente del Tribunal Constitucional, y João Cravinho, ex ministro de Obras Públicas.
Aunque sin una forma orgánica, todos los miembros del grupo siguen manteniendo una estrecha relación intelectual. Muchos de ellos firman columnas de opinión en los principales diarios y semanarios de todo el país y cuentan con gran peso en especial en el mundo académico, donde ocupan cátedras en las principales universidades.
Su paso al PS fue más suave que el de los maoístas y otros ”M-L”, porque como explicó a IPS el analista político Augusto Vilela, ”no existían grandes diferencias ideológicas, sino más bien de estrategia y táctica, entre Sampaio y Mario Soares”, secretario general del PS hasta 1986, y luego presidente del país entre ese año y 1996.
”Los 'ultras', en cambio, debían presentar un certificado de buena conducta a la derecha emergente en la década del 80, autocalificando su pasado como un sarampión revolucionario de juventud, adoptando posturas muchas veces extremamente conservadoras”, añadió.
Hoy, los ex maoístas se describen de varias formas. El director de Publico explicando que ”la izquierda privilegia más la igualdad y la derecha la libertad, y para mí, la libertad es el bien esencial”.
Lamego, por su parte, continúa considerándose de izquierda, pese a las críticas de su propio partido por haber aceptado la invitación de Washington en Iraq. ”Soy un socialista liberal, porque ¿qué es la izquierda?: defender la libertad y un sistema donde prevalece el mérito”, observó.
Falcão, cuyos editoriales inflamados en A Voz do Povo hace tres décadas colocaban la etiqueta de ”social-fascista” al resto de la izquierda, hoy se reconoce como ”un anarquista de derecha con preocupaciones sociales”.
En los últimos 30 años, ningún ex maoísta o ex ”M-L” ha declarado arrepentimiento por haber apoyado la revolución de los capitanes izquierdistas del ejército que en 1974 derrocaron la más antigua dictadura europea, instaurada en 1926, y desmantelaron un arcaico imperio colonial de seis siglos.
En el actual abanico político lusitano, el MRPP continúa existiendo, con fluctuaciones entre 0,8 y 1,2 por ciento de votos en cada elección, todos ellos concentrados en las universidades.
Reivindican a Mao y a Stalin, y sus peores enemigos no son los ”renegados” de la dirección comunista de China actual sino los ”traidores nacionales”, casi todos ellos protagonistas de una historia de éxito en el nuevo sendero neoliberal.
La jueza Morgado resume el sentir generalizado de todos ellos: el maoísmo fue una buena escuela, ”éramos un grupúsculo de fanáticos testarudos que nunca causamos daño a nadie, pero que, felizmente, no tomamos el poder”.

O "Resende" da Ordem dos solicitadores esteve na Madeira a botar faladura

Disse o bastonário que neste momento a Maria João Marques não está acusada de nada. Pois claro. Os ladrões de colarinho branco, protegem-se uns aos outros!


António Costa e o bastonário José Carlos Resende será que vão ir a Cascais prender a ex-agente de  execução burlona Maria João Marques?

Olha Savino Correia à frente da direcção Regional do trabalho

Marco Gonçalves advogado do Sindicato de Hotelaria, também está a discursar no seminário