sábado, 24 de fevereiro de 2018

Alberto, critica duramente o ex- vice Cunha e Silva

Ricardo Oliveira o bafos


Ver RENOVADINHOS

Bafos promove Cunha e Silva na folha onde é director


O brasileiro que conheceu o Anjo da Morte: "Não digo mal dele nem que me peçam" (DN/Lisboa)

José Osmar Silotto, agricultor de 65 anos, conviveu com um tal de Pedro Hungarez, nome falso de Josef Mengele, o médico de Auschwitz que matou 400 mil durante a II Guerra Mundial
"Zé Osmaaaar, telefone!", grita Dona Durvalina. Minutos depois chega, ofegante, Zé Osmar, o marido de Dona Durvalina: "Teve sorte de me pegar aqui, normalmente estaria lá para a roça". A roça a que se refere José Osmar Silotto, agricultor de 65 anos, é uma propriedade em Serra Negra, a três horas de São Paulo, ao lado de uma outra, de 23 alqueires (mais de 55 hectares), chamada Santa Luzia. "Foi lá na Santa Luzia que eu conheci o Pedrão, é sobre ele que quer falar, não é?", pergunta Zé Osmar.
Pedrão era como os vizinhos tratavam Pedro Hungarez, o hóspede de sotaque esquisito do casal húngaro Gitta e Geza Stammer, a quem Seu Eugênio, pai do então pré-adolescente Zé Osmar, fazia alguns serviços, como colher café ou consertar cercas. Antes deste nome aportuguesado, Pedro Hungarez chamou-se Fausto Rindón, Alvers Aspiazu, Wolfgang Gerhard, Fritz Ullmann, Helmut Gregor e Peter Hochbichler - todos nomes falsos para ocultar a verdadeira identidade: Josef Mengele, O Anjo da Morte de Auschwitz-Birkenau, considerado responsável pela morte de 400 mil pessoas na II Guerra Mundial.
"Era por volta de 1963, 1964, quando o Pedrão me viu sentado, sem forças, e perguntou ao meu pai o que eu tinha", lembra Zé Osmar. "O meu pai respondeu que era "amarelão", ou seja, anemia. Ele então puxou-me o olho, observou e dias depois trouxe um líquido, a que juntou beterraba, e deu-me a beber. Todas as semanas puxava-me o olho para verificar progressos. E eu progredi mesmo: nem precisei tomar tudo para me sentir um touro, de tão forte, em menos de um ano. Ficou famoso o tema nas redondezas: Pedrão curou Zé Osmar!".
São raras, no entanto, as crianças com boa recordação do "Anjo da Morte", nascido em 1911 em Günzburg, na Baviera. Doutorado em Medicina e Antropologia, entrou no Partido Nacional-Socialista em 1937 e no esquadrão de proteção, as SchutzStaffel (SS), em 1938. Após servir como médico no campo de batalha, em 1943 chegou a Auschwitz com a tarefa de decidir que prisioneiros seriam mortos nas câmaras de gás, além de realizar experiências médicas, a maioria mortais, em gémeos, anões ou heterocromáticos (pessoas com olhos de cores diferentes), para criar a raça pura ariana.
A gémeos, Mengele amputava os membros para observação ou infetava-os com tifo e outras doenças, de modo a comparar os efeitos. "Numa noite matou 14 por injeção de clorofórmio no coração", contou o médico judeu Miklos Nyiszli que se voluntariou para o ajudar nas experiências e escapar da morte. A heterocromáticos injetava químicos para mudar a cor dos olhos, que depois mantinha pendurados na parede como coleção. Analisava os ossos dos anões por semanas; anotado o que necessitava, enviava-os para as câmaras de gás.
Muitos objetos das experiências eram jovens. Mengele é descrito por um colega, citado em artigo do psiquiatra Robert Jay Lifton no New York Times, em 1985, como alguém capaz de ser dócil com as crianças, a quem pedia que o chamassem "Tio Mengele", e meia hora depois mandá-las para a morte.
Quando um surto de gangrena atingiu a secção onde estavam os prisioneiros de etnia cigana, determinou a matança imediata das crianças contaminadas, para estudo da doença em laboratório. Após epidemias de tifo e de escarlatina no campo feminino, ordenou que 600 mulheres fossem enviadas para as câmaras de gás para não contaminar as restantes. "Os prisioneiros eram como bichos nas mãos dele", contou um sobrevivente ao Chicago Tribune.
"Ah, lembro-me que ele era ótimo a embalsamar animais, como passarinhos", lembra-se de repente Zé Osmar, a meio do telefonema. "De resto, apesar de cortês, e de me pagar a mim e ao meu pai em ordem, em geral ficava lá da torre dele, calado, a observar-nos à distância".
Conta o historiador Olivier Guez, em La Disparition de Josef Mengele, lançado no ano passado, que já nas torres de vigia de Auschwitz o médico passava horas a olhar o campo, sempre impecavelmente vestido, com o chapéu a cobrir-lhe metade do rosto, ao estilo dandy: "Metia medo até aos outros SS". Segundo Mengele: The Complete Story, livro de Gerald Posner e John Ware de 1986, enquanto os colegas médicos achavam a escolha de condenados à câmara de gás a parte mais tensa do seu trabalho, Mengele cumpria-a com prazer, sorrindo e assobiando.
Até que chegou o 8 de Maio de 1945: a rendição da Alemanha. Por se ter recusado a tatuar o grupo sanguíneo por baixo da axila, como outros nazis, Mengele viveu incógnito quatro anos numa região rural alemã e escapou, já nos anos 50, para Buenos Aires, via Génova. Na Argentina, ganhou a vida a fazer abortos clandestinos, segundo arquivos abertos pelo governo local em 1992. Quando o coronel das SS Adolf Eichmann foi capturado na capital argentina, Mengele escapou pelos dedos ao caçador de nazis Simon Wiesenthal: já estava no Paraguai, a caminho do Brasil, onde se tornaria sócio dos Stammer, em Serra Negra.
De Serra Negra, o Anjo da Morte mudou-se para Caieiras, Diadema, Embu, Campos de Jordão e São Paulo. Em 1979, já em rutura com o casal húngaro, por se ter envolvido com Gitta, aceitou o convite do amigo Wolfram Bossert, ex-nazi de baixo escalão, para passar férias em Bertioga. Por essa altura, conta Guez, vivia em constante terror, perseguido, não pela culpa, que jamais admitiu, mas pelo medo de ser apanhado. Morreu por afogamento no mar de Bertioga, após ataque cardíaco, e foi enterrado em Embu, sob nome falso.
Um ano antes, fora interpretado por Gregory Peck, em Os Comandos da Morte, filme também com participação de Laurence Olivier e James Mason e nomeado para três óscares. Em 2014, Wakolda foi o candidato argentino ao Óscar, com o espanhol Álex Brendemühl no papel do médico alemão.
Entretanto, a Folha de S. Paulo divulgou em 2004 um diário de Mengele. Numa das 13 páginas A4 recuperadas, o médico contou que estava a ler as memórias de Albert Speer, o arquiteto nazi: "Ele arrepende-se, o que é lamentável e o diminui". No mesmo texto, chamava a juventude alemã de "degenerada" por não respeitar o legado da sua geração.
"Sim, eu hoje sei quem ele foi, o que fez, mas não me peça para dizer mal dele, porque foi ele quem me curou do amarelão", diz, antes de desligar o telefone, Zé Osmar, amigo brasileiro de "O Anjo da Morte".
Em São Paulo

O melhor do Jornal Público de hoje









Caras e fotos de hoje

Maritimo 3 Guimarães 2.Até que enfim! Uma vitória surgiu! (para animar o pessoal). Já basta de tantas derrotas!


Raimunadas, bota palavra!

Cafôfo atento!

Professor Baptista, geólogo competente!

Professor João Manuel Viveiros, traiu a sua classe e foi para o PSD em Machico! É oriundo de uma família humilde de Machico.

Estudou e doutorou-se com muito  esforço e trabalho. Mas deixou-se enganar pelo PSD

Rui Abreu, o competente Secretário Geral do PSD. Mas não poderá evitar a derrota de 2019

Muita gente tem a organização do PSD! Muitos são os entachados

O controleiro do Faial não pára nem desarma perante a derrota eminente

Campanha de vacinação gratuita


Debate entre os dois deputados da Madeira à AR





Secretária do Turismo tinha caído em desgraça no Instituto de Tapeçaria da Madeira. Mas já foi reabilitada por Albuquerque!

Fernando Curto, o homem forte dos bombeiros. Mas é um pedacinho cagão!

Terror da guerra civil na Síria




Repressão em Israel

Armindo Miranda, já dirigiu o PCP na Madeira

Delegado Sindical dos guardas prisionais condenado pela Justiça do Sistema (artigos 180 a 187 do C.Penal, fazem mais uma vítima.)

Valeriano do Rosário delegado sindical dos guardas prisionais do Estabelecimento prisional do Funchal foi recentemente condenado por "difamação" no passado dia 14 de Fevereiro na pessoa do director do Estabelecimento Prisional, Fernando Santos. 
 Como todos nós já sabemos aqui em Pravdailhéu, o dinossauro que dirige a cadeia com punho de ferro, está farto de explorar a mão de obra barata dos reclusos, em proveito próprio. Segundo informações dos guardas à nossa redação, a exploração da cantina, factura centenas de milhares de euros e não existe cobrança do IVA, nem facturas de caixa, o que se trata de uma evasão fiscal. O arranjo do carro à borla nas oficinas da Prisão, é apenas a ponta do iceberg! 
 Mas como a liberdade de expressão   em Portugal é uma senhora que já morreu há muitos anos como todos nós já sabemos. Os juízes fascistas tramaram mais um cidadão contestatário. A "lei da rolha" é aquilo que resta das amplas liberdades conquistadas com a Revolução de Abril de 1974.


Fernando Santos o dinossauro ditador do Estabelecimento Prisional do Funchal (há mais de 20 anos),afinal gostava de arranjar o carro à borla! Lol!

sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

«Negócios» leoninos pouco claros!


Fénix do Atlântico foi o primeiro de comunicação social madeirense a informar a decisão do TC

TC dá razão a José Manuel Coelho

O Supremo Tribunal de Justiça terá mesmo de apreciar e decidir sobre o recurso apresentado pelo líder do PTP, José Manuel Coelho, no chamado processo Garcia Pereira.
A decisão decorre do Tribunal Constitucional, nos seguintes termos: (ver Fénix)